Grande Expedi...

Grande Expediente

         Reunião Ordinária

         13 de julho

        – O vereador Mário Alves pediu providências ao Executivo em relação a uma determinada cidadã que tem causado aborrecimento, no centro da cidade. Cobrou o retorno do transporte coletivo para a região, pois muitos trabalhadores dependem deste meio de transporte.

        – O vereador Fábio Curi, Líder do Governo, recordou que a pandemia do novo coronavírus completava 120 dias, e que, sendo assim, toda a população já estava ciente das medidas preventivas. Pediu aos proprietários de bares, restaurantes e lanchonetes que mantivessem os empregados, e ao Comitê de Operações Especiais (COE), a deliberação para a retomada das suas atividades e da economia. Destacou que muitos empresários pactuaram empréstimos com parcelas com valores elevados e que poderão não ter mais condições de honrar com os seus compromissos. Destacou que “a saúde da economia também pede socorro”. Em relação à cidadã citada pelo colega Mário Alves, informou que o Executivo está tomando as providências e que é preciso tratar a situação com caridade e amor ao próximo. Comentou que mesmo com o recesso parlamentar, o Legislativo continuará à disposição do Executivo para deliberação de proposições relevantes para a cidade. Pediu que a Casa enviasse ao Executivo as propostas de alterações da Lei Orgânica Municipal, para estudos das Secretarias.

        – O vereador Vinicius Hemetério em relação aos bares, restaurantes e lanchonetes, pediu a deliberação e sensibilidade do Comitê de Operações Especiais (COE) para que os proprietários dos estabelecimentos comerciais pudessem honrar com os seus compromissos. Sobre os transportes interestaduais, comentou que muitos moradores da cidade estão buscando formas alternativas de locomoção para o reabastecimento do comércio, sendo assim, pediu que a situação fosse revista pelo COE. Informou que a CPI COPASA retomará os trabalhos após o recesso parlamentar. Comentou que o atleta “Binho” percorreria 235 km na região, no fim de semana, em prol das famílias carentes e instituições caxambuenses. Desta forma, pediu que as pessoas fizessem doações financeiras e de alimentos em prol desta campanha.

        – O vereador Júlio Nogueira (Júlio da Corneta) posicionou-se contrário ao recesso parlamentar, apesar de sua legalidade.

        – O vereador Paulo Rodrigues demonstrou pesar com o falecimento de Luiz Henrique Ferreira “Tita”, no dia 11 de julho, recordando da amizade que desfrutaram. Pediu a colaboração da população para usar máscaras e evitar aglomerações, principalmente nos fins de semana, e que todos pensassem no próximo. Sugeriu aos colegas para não apresentarem mais indicações, para que o Executivo tenha condições de atender as já solicitadas.

        – O vereador Renato Brandão cobrou do Executivo a resposta de uma indicação de sua autoria pedindo a suspensão da cobrança da dívida ativa durante a pandemia, considerando que muitos cidadãos não estão trabalhando neste período. Cobrou novamente a construção de uma ciclovia no município e demarcação de dois estacionamentos para bicicletas, no centro, bem como a construção de um bicicletário e capacetário, nas instalações do Legislativo. Informou que o Executivo inclusive já está revisando os Códigos Tributário e de Posturas, para adequações na Lei Orgânica Municipal.

        – O secretário Francisco Martins (Kiko) relembrou da necessidade da construção de casas populares no município, geração de novos empregos e instalação de novas empresas. Falou da expectativa de muitos cidadãos com a volta ao trabalho.

        – O presidente Jean Carlos comentou que independente do recesso parlamentar, a Casa continuaria funcionando administrativamente. Agradeceu ao Executivo à limpeza na estrada de acesso ao Aeroporto. Pediu novamente a recuperação da Rua Paulo Pereira, no Campo do Meio, como a limpeza e a reforma de uma ponte que dá acesso à Fazenda da Glória. Em relação à pandemia, considerou que as barreiras estão prejudicando os trabalhadores, pois carretas e outros veículos pesados estão transitando pelas ruas e avenidas da cidade, prejudicando inclusive o calçamento. Pediu a reabertura da cidade, justificando a ineficiência das barreiras e as dificuldades enfrentadas para a entrega de mercadorias.